sexta-feira, junho 05, 2015

Ai, Jesus, tanta confusão na 2ª Circular ...



A prova de que os portugueses pouco ligaram à descida de umas décimas no número do desemprego é que ontem toda a gente falava num só assunto: a saída de Jorge Jesus do Benfica para o seu arqui-rival do outro lado da segunda circular, o Sporting. Aliás, não falavam no desemprego nem em qualquer outro assunto daqueles que têm mesmo a ver com as nossas vidas.

Para quem segue o que se passa nas redes sociais é muito curioso ler os comentários de benfiquistas e de sportinguistas. Os primeiros acusam Jesus de ser um traidor (chamam-lhe Judas e sentem que se passou do bicampeonato ao bicabornato), os segundos acham que o treinador não tem o perfil adequado para estar à frente do clube de Alvalade. Ou seja, estão todos contra Jorge Jesus.

Como contraponto a este enredo todo há também o despedimento (com justa causa, ao que dizem) do treinador leonino, Marco Silva, que muitos apontam já como futuro treinador do Benfica. Está armada uma teia em que nem sequer faltam elementos como a ética (ou falta dela), o reconhecimento ou a ingratidão (ou falta deles) e os grandes interesses de agentes, fundos de investimento e investidores de países africanos.

Uma completa salganhada - que já vimos idênticas no passado, mas esta tem um gostinho especial - que promete dar muito que falar nos próximos dias e semanas e da qual se pode tirar, para já, duas conclusões: a primeira, é que quem realmente se interessa pelos clubes não são os dirigentes, treinadores ou jogadores, são os adeptos. A segunda, é que percebo agora para que foi montada a passagem superior sobre a segunda circular, junto às Torres de Lisboa. Foi - acho eu de que ... - para facilitar o salto dos treinadores da Luz para Alvalade e vice-versa ... Será?